Gazeta Centro-Sul

Contato: (51) 3055.1764 e (51) 3055.1321  |  Redes Sociais:

Tera-feira, 25 de junho de 2019

17/05/2019 - 14h50min

Daniel Andriotti

Compartilhar no Facebook

enviar email

O sublime poder da vaia

Reza a lenda que a vaia surgiu na Grécia Antiga, durante a execução de pessoas. Algumas eram recepcionadas com aplausos, outras com vaias. Tudo dependia do gosto do espectador. Por aqui, cogita-se que quando as caravelas de Pedro Álvares Cabral atracaram em Porto Seguro, os índios desferiam uma estrondosa vaia para cada um dos tripulantes que pisava nas areias baianas. Portanto, o poder da vaia não é de hoje. Se ela resolve ou não é outra história. Mas, pelo menos, sabe-se que a vaia incomoda. A prática, no Brasil tem, pelo menos, mais de 500 anos. Num passado mais recente, como na Copa de 2014 e nos Jogos Olímpicos de 2016, mostramos ao mundo o poder da vaia brasileira.

A definição do Wikipédia para a vaia é divertida: “Trata-se de um apupo num ato público para demonstrar um desagravo, desaprovação ou defeito por alguém ou alguma coisa, geralmente personalidade, com a interjeição “buuuuuu!!!”, pronunciada de maneira prolongada...

Por que estou escrevendo sobre isso? Porque no futebol, se tem uma coisa que incomoda jogadores, comissão técnica, arbitragens e dirigentes de clubes, é a famigerada e desconfortável vaia. A crônica esportiva e boa parte daquele grupo de torcedores que vive numa bolha – alheia à realidade das limitações do seu time – são contra. Mas sou um ferrenho defensor e admirador da vaia. Na verdade, do poder da vaia. Quando cito a crônica – principalmente a do Rio Grande do Sul – o ‘consumidor’ de jornadas esportivas precisa “aplicar um filtro” para quem não vive “na bolha”. Ela tem seus interesses. Principalmente o financeiro, que em última instância, mascara a qualidade de tudo o que envolve o futebol.

Eu costumo vaiar a escalação de um determinado jogador quando seu nome é anunciado no alto falante. Cada vez que ele toca na bola, também. Se ele erra, então, puxo aquele “buuuuu!!!” agudo lá do fundo do abdomen. E se ele faz um gol eu fico mudo, senão a diretoria vai entender que estou feliz com ele e renova seu contrato por mais dez anos. No atual grupo do Inter, por exemplo, tenho vaiado intensamente Cuesta, Moledo, Parede, Iago, Rithely, Lindoso, Trellez, Jonathan Alves, Neilton e... é claro, Willian Potker e Odair Hellmann. Sim, caro leitor. Todos esses!!! E mais alguns que devo ter esquecido mas que também já ovacionei negativamente. Você pode estar pensando: “mas então não escapa ninguém?”. Respondo: escapa sim. Basta sair da bolha e olhar para quem realmente tem qualidade. E é disso que um time vencedor precisa...

O leitor, especialmente colorado, deve estar pensando: “mas o Inter atravessa um momento em que a vaia não faz sentido pois o time foi bem no Gauchão, foi um dos líderes da primeira fase da Libertadores e começou com certa lucidez o Campeonato Brasileiro”. Minha opinião: a vaia sempre faz sentido. Senão naquele momento, ela é preventiva. Foi apoiando pernas-de-pau até o fim que caímos para a segunda divisão em 2016.

Um exemplo que o poder da vaia derruba um jogador aconteceu no Beira Rio em 2015. Eu, é claro, estava lá. A saraivada de vaias da torcida – muito provavelmente puxada por mim – era tão intensa contra o lateral esquerdo Fabrício num jogo contra o Ypiranga de Erechim, pelo Gauchão, que num surto de descontrole aos 18 minutos do segundo tempo, ele arrancou a camiseta número 6 que vestia e jogou-a no chão com extrema raiva. Deixou o campo desferindo os mais grotescos gestos e proferindo os mais assombrosos palavrões para o público nas arquibancadas. Foi expulso de campo e do Inter. Me senti orgulhoso...

Assim caminha a humanidade. Muitas vezes, empurrada pela vaia.

Daniel Andriotti

[email protected]

Publicado em 18/5/2019.

Últimas Notícias

Espetacular a exposição de carros antigos que acontece neste domingo no Centro de Guaíba. Evento segue até as 17h.

Tiro na Câmara de Vereadores de Guaíba. Confira na versão impressa.

Secretário de Mobilidade Urbana de Guaíba, Alex de Oliveira, foi demitido depois de seis meses no cargo.

Publicidade

Institucional | Links | Assine | Anuncie | Fale Conosco

Copyright © 2019 Gazeta Centro-Sul - Todos os direitos reservados