Gazeta Centro-Sul

Contato: (51) 3055.1764 e (51) 3055.1321  |  Redes Sociais:

Segunda-feira, 10 de agosto de 2020

29/06/2020 - 09h45min

Painel Econômico

Compartilhar no Facebook

enviar email

É dramática a situação dos catadores de recicláveis e de empresas do setor

A pandemia da Covid-19 e a paralisação da economia continuam a afetar duramente a cadeia de reciclagem de materiais, com reflexos negativos não só para os trabalhadores do setor, que perderam renda, mas também ao meio ambiente.

A maioria dos cerca de um milhão de catadores de materiais recicláveis, entre cooperados e catadores avulsos, não teve acesso ao auxílio emergencial de R$ 600 oferecidos pelo Governo Federal e possui dificuldades para se manter, segundo Roberto Laureano da Rocha, catador, presidente da Associação Nacional dos Catadores e Catadoras de Materiais Recicláveis (ANCAT) e representante do Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis (MNCR).


As empresas responsáveis pelo processamento e venda de sucata de ferro e aço, mais de 5,5 mil - a maioria pequenas e médias - foram obrigadas a paralisar parte de suas atividades em decorrência da forte redução na coleta seletiva, do trabalho do catador e na demanda das usinas siderúrgicas, que usam a sucata na produção de aço. Conforme Clineu Alvarenga, presidente do Instituto Nacional das Empresas de Sucata de Ferro e Aço (Inesfa), a sucata coletada e processada já chegou a cerca de 830 mil toneladas ao mês e hoje está em menos da metade.


Os catadores reclamam de um distanciamento do diálogo do Executivo com a classe.


“Atualmente não temos nenhum acesso ao Governo Federal. Os programas que existiam voltados aos catadores foram cortados na atual gestão”, afirmou Rocha. Ele acrescenta que “a paralisação dos catadores durante a pandemia afetou diretamente a cadeia de reciclagem”, que ainda não foi reconhecida essencial, apesar do manifesto já enviado ao presidente da República. O documento foi assinado por associações de catadores, deputados federais e entidades representativas de segmentos da indústria e comércio.


De acordo com o presidente da ANCAT, é fundamental ter um olhar do trabalho do catador como um prestador de serviço. Ou seja, ao ter essa essencialidade reconhecida, como pede o manifesto, a atividade deverá ser remunerada. Dessa forma, será possível desenvolver a qualidade produtiva do negócio, fortalecer economicamente os trabalhadores, além de manter os protocolos de segurança determinados para essa função.


Alvarenga, do Inesfa, lembra que há enorme preocupação em relação à questão sanitária e ao meio ambiente, já que reciclagem é fundamental no combate a disseminação da Covid-19 e aos focos transmissores de doenças, tais como dengue, chikungunya, zika e febre amarela.



Publicado em 26/6/20.

Últimas Notícias

A Prefeitura de Guaíba acusa os vereadores Claudinha, Collares e Miguel Crizel de invadirem o Hospital nesta sexta-… https://t.co/0fMlMA2Uts

Na tarde desta terça-feira, 21, acontece a inauguração dos dez leitos de UTI para tratamento de Covid-19 em Guaíba.

Kit Covid somente com receita médica em Guaíba. Confira na versão impressa.

Publicidade

Institucional | Links | Assine | Anuncie | Fale Conosco

Copyright © 2020 Gazeta Centro-Sul - Todos os direitos reservados