Gazeta Centro-Sul

Contato: (51) 3055.1764 e (51) 3055.1321  |  Redes Sociais:

Sábado, 30 de maio de 2020

05/04/2019 - 16h31min

Leandro André

Compartilhar no Facebook

enviar email

A Beira

Teve carnaval na “Beira”, então vamos falar sobre ela. A Beira é o lugar mais bonito de Guaíba, da Estação Hidroviária até o Parque Natural (Sala Verde). Na verdade, é um dos lugares mais bonitos da Região Metropolitana de Porto Alegre. Trata-se de uma passarela aberta, com painel de fundo composto pela geometria urbana da Capital dos Gaúchos (vista única) e o Portal da Lagoa dos Patos de um lado; do outro, a cidade de Guaíba, misturando o antigo e o novo, mais a vegetação nativa do Morro José Lutzenberger. Cenário de cinema, com o qual já estamos acostumados e já nem suspiramos, mas que encanta os visitantes e os publicitários, que gravam filmes comerciais nesta margem.

Caminhar na Beira em uma manhã ensolarada de domingo é presente divino. Registrei essa caminhada no meu livro “Guaíba Outra Margem”, assim como a bela vista a partir de Guaíba, que chama a atenção dos visitantes desde o tempo do Império, quando a Princesa Isabel passou por aqui, em janeiro de 1885, e registrou no seu diário a “vista espetacular”.

Se nós já tivéssemos compreendido o potencial turístico da Beira, certamente teríamos restaurantes e bares com decks nas calçadas, o Píer não estaria tanto tempo interditado e a iluminação do Calçadão seria bacana. Nós ainda não compreendemos o valor da Beira; tanto é verdade, que em imóveis especiais para restaurantes e bares temos empreendimentos totalmente fora do contexto, ou estão abandonados. Como sou devoto do otimismo, acredito que essa ficha ainda vai cair.

O Calçadão e os parques da margem central formam o ponto de encontro social da comunidade. Além de bela, a Beira é democrática.

Por uma improvisação gerada pela falta de dinheiro, o Carnaval de Guaíba, neste ano, foi realizado na Beira, a avenida mais bonita da Cidade, o que fez a festa ser a mais bonita de todas, considerando o conjunto da obra. Faltaram somente as arquibancadas, os camarotes, e denominar a passarela do samba de Liberato Garcia.

Resultado do Carnaval

Como já escrevi antes, sou um cintura dura e não estou no quadro dos amantes do carnaval, mas defendo a festa, por respeito à cultura popular e às pessoas que se envolvem o ano todo com o evento. Além disso, gosto de assistir o espetáculo.

Neste ano, na condição de leigo, para mim a Academia de Samba Cohab-Santa Rita e a Império Serrano empataram em primeiro lugar; e a Estado Maior da Colina fez o seu mais belo desfile - mandou bem a Colina.

Como a Império Serrano reclamou do resultado de forma contundente, fui consultar um amigo especialista em carnaval a fim de entender o que aconteceu. Ele me explicou que há questões técnicas que os jurados observam e fogem à percepção de leigos como eu. Para exemplificar, citou um caso específico que aconteceu no desfile da Império. No roteiro entregue aos jurados, constava um destaque na frente do carro alegórico e este não estava lá, o que resultou em desconto de pontos (tema-enredo). São detalhes que eu e o público não percebemos, mas, em geral, não escapam da observação dos julgadores, que estão com olhos arregalados, anotando tudo numa planilha.

Uma coisa é certa, discordar do resultado é do jogo, reclamar, também, mas é preciso não ultrapassar o limite do respeito para não comprometer o evento. Se há suspeita de fraude sistemática em uma determinada competição, então não se deve participar dela. Ponto.

De acordo com a Setudec, os jurados foram escolhidos pelos presidentes das três escolas que participaram do carnaval.

Parabéns à Academia Cohab-Santa Rita pelo nono título consecutivo. Obrigado pelo espetáculo que nos proporcionou, juntamente com as comunidades da Império e da Colina. Gostei muito da Colina, do desfile e da postura do seu presidente.

Pouco tempo para questionar

Os vereadores chamam secretários e diretores do Governo Municipal para questionar sobre os trabalhos desenvolvidos na Prefeitura, o que está correto e faz parte das atribuições do Legislativo. Mas, na prática, as regras da Mesa Diretora acabam podando o questionamento dos parlamentares. Faz tempo que acontece isso.

Se é para fazer de conta, as convocações não fazem sentido. O caso se repetiu na sessão de terça-feira, quando a secretária Virgínia Guimarães foi fazer esclarecimentos. Dois minutos para cada vereador perguntar. É pouco tempo. Além disso, tem que ter réplica e tréplica. O questionamento tem de ser completo; respeitoso, mas completo, até que fique tudo bem esclarecido. Cobrei isso do presidente da Câmara, Arilene Pereira, essa semana. Ele justificou que o limite é para organizar o tempo e tal, mas, no fim da nossa conversa, ele reconheceu que o questionamento tem de seguir até se esgotar.

A Secretária Virgínia se mostrou bem preparada para a missão na Câmara. Mas não se pode afirmar que a sua performance seria a mesma se o tempo para as perguntas não fosse tão limitado. Organizar o tempo é uma coisa, limitar perguntas é outra.

Chuvarada e Estragos em Camaquã

A chuvarada na noite de quinta-feira (112 milímetros em duas horas, conforme a Defesa Civil) causou alagamentos e confusão em Camaquã. A Defesa Civil foi acionada e fez o acompanhamento e monitoramento durante toda a noite, com apoio dos Bombeiros, que resgataram uma família. Equipes da Prefeitura passaram a sexta-feira em ação, reparando os estragos na Cidade e no Interior.

Leandro André

[email protected]

Publicado em 06/4/2019.

Últimas Notícias

Navio bate em pilar da Ponte do Guaíba. Içamentos estão suspensos, mas tráfego de veículos continua.

Unidades do Super Paulinho, interditadas na quarta, 20, pela Vigilância em Saúde, foram liberadas neste sábado, 23.

Registrada a primeira morte por Covid-19 de um morador de Guaíba na noite desta quinta-feira, 14.

Publicidade

Institucional | Links | Assine | Anuncie | Fale Conosco

Copyright © 2020 Gazeta Centro-Sul - Todos os direitos reservados