Gazeta Centro-Sul

Contato: (51) 3055.1764 e (51) 3055.1321  |  Redes Sociais:

Domingo, 31 de maio de 2020

12/03/2020 - 14h05min

Perspectiva

Compartilhar no Facebook

enviar email

Catástrofes anunciadas: História sem fim!

Em janeiro, a Lúcia e eu fomos passear, em São Paulo, com a Roberta e os netos. Já tinha um tempo que não curtíamos uma aventura eletrizante com os medonhos. Vivemos dias de zoeira, alegria e muito amor. Foi maravilhoso!

Sempre que chego a São Paulo, ao pousar, fico hipnotizado pelo que a especulação fundiária fez. Durante os deslocamentos para os parques, conversei com os motoristas, para saber mais sobre o caos dos alagamentos. Impressionei-me com o que ouvi e vi! As principais vias da metrópole ficam intransitáveis. Quando chove forte e, se for muita água, como tem acontecido, a calamidade impera na cidade. Aliás, os meses iniciais de 2020 foram terríveis para alguns estados. São as catástrofes anunciadas que alguns negam.

As inundações são temas recorrentes. É uma história que parece não ter fim! A causa principal dessas tragédias é a ocupação desordenada e indevida do solo. A água, que deveria infiltrar onde chove, escorre pelas encostas e superfícies “impermeabilizadas”, provocando enxurradas devastadoras. Decorre, daí, o aumento da velocidade de escoamento, erosões, destruições generalizadas, com elevadas perdas humanas, materiais e financeiras.

Importante, nesse irracional processo de apropriação territorial, é aprendermos com os erros e planejar a ocupação dos espaços ainda não assolados pela ganância especulativa. Existe a máxima de que “precisamos desenvolver a economia para então nos preocuparmos com as demandas sociais e ambientais.” Essa é famosa tese de que primeiro o bolo tem que crescer para depois desfrutarmos. Ela faliu. Não há dúvida de que, cada vez mais, menos pessoas têm acesso ao bolo! Está claro que as questões sociais e ambientais são fundamentais para um desenvolvimento sustentável e justo.

Para reverter esse quadro são necessárias intervenções estruturais e mitigadoras, de médio e longo prazo. Destaco a desocupação de áreas de risco, a recuperação da vegetação nas encostas e margens dos rios, a construção de redes eficientes de drenagem, preservando o sistema natural que sobrou, além de um programa de educação socioambiental, visando o manejo e destinação correto dos resíduos sólidos. Isso é planejamento e gestão urbana. Pergunto: Guaíba planeja seu desenvolvimento territorial?

O Global Risks Report de 2020 destacou que os desastres naturais, em 2018, causaram prejuízos de US$165 bilhões. Trago de volta a afirmação dos ganhadores do prêmio Nobel em economia, William Nordhaus e Paul Romer, “A poluição se tornou problema e coloca em risco o próprio capitalismo”.

Lamentavelmente, na onda do “grande líder do Norte”, vamos à contramão do esforço mundial em conter as mudanças climáticas. Aviso! Se um dia houver o famoso “confinamento de ambientalistas”, conforme proposto pelo presidente Bolsonaro... Quero ser exilado em Fernando de Noronha!

“A história da humanidade torna-se cada vez mais uma corrida entre a educação e a catástrofe.” (Henry Wells)

Túlio Carvalho

[email protected]

Publicado em 7/3/2020

Últimas Notícias

Navio bate em pilar da Ponte do Guaíba. Içamentos estão suspensos, mas tráfego de veículos continua.

Unidades do Super Paulinho, interditadas na quarta, 20, pela Vigilância em Saúde, foram liberadas neste sábado, 23.

Registrada a primeira morte por Covid-19 de um morador de Guaíba na noite desta quinta-feira, 14.

Publicidade

Institucional | Links | Assine | Anuncie | Fale Conosco

Copyright © 2020 Gazeta Centro-Sul - Todos os direitos reservados