Gazeta Centro-Sul

Contato: (51) 3055.1764 e (51) 3055.1321  |  Redes Sociais:

Segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020

06/09/2019 - 15h02min

Perspectiva

Compartilhar no Facebook

enviar email

A ignorância: o princípio da sabedoria

Ando atônito com o que vejo na mídia atual, tanto na TV, no rádio, jornais ou nessas massificantes redes sociais. Jamais imaginaria ver, ouvir ou ler tamanhas contradições e entendimentos confusos acerca de questões, que, no meu entendimento, são simples e banais. Parece que tudo virou de ponta cabeça. O conhecimento e a ciência são alvos de bombardeio diário. A cultura?!... Bem... A censura voltou à nossa pátria amada Brasil!

Numa animada conversa, semana passada, numa cafeteria, no centro de Porto Alegre, depois do almoço, com amigos, veio uma questão interessante à “mesa de debates”: a ignorância! Um interlocutor começou a correlacionar a ignorância com a sabedoria. Mais uma vez, nosso atencioso garçom parou para ouvir e ver no que ia dar aquele papo de um grupo de amigos idosos.

A princípio, parecia não fazer tanto sentido, mas, à medida que evoluía a discussão, começou a ser configurada a ideia de que a ignorância é o princípio do conhecimento e que, portanto, é necessário estar aberto à reflexão constante para que se possa atingir o mínimo de conhecimento e sabedoria.

Friedrich Wilhelm Nietzsche, filósofo, filólogo, crítico cultural, poeta e compositor prussiano do século XIX, disse que “A sabedoria é um paradoxo”, já que “O homem que mais sabe é aquele que mais reconhece a vastidão de sua ignorância”. Esse pensamento vai ao encontro do que disse Sócrates: “Só sei que nada sei”.
Apesar de ter morrido em 1900, os comentários de Nietzsche são atuais e úteis para entender a humanidade do século XXI.
O bate-papo foi encerrado, por premência do relógio, com a promessa de sequência no próximo encontro. A pauta programada promete dissecar a última observação “da mesa” sobre a origem (ou a causa) do conjunto de pessoas que se coloca como possuidora das verdades últimas sobre as coisas, ainda que essas certezas possam mudar, constante e rapidamente, de acordo com a melhor conveniência de quem as define. É premente essa discussão! A maioria das afirmações feitas na mídia é carente de fundamentação.

Me preparando para o próximo “round”, comecei a analisar, com esses vieses, as manifestações nos noticiários e jornais. As redes sociais?!... Bem... Essas vou continuar me mantendo a distância! Não quero me contaminar e nem perder tempo com destemperados e dissimulados “manifestos”.

Saímos da cafeteria, como sempre, caminhando, numa animada e divertida conversa sobre “o debate”, até a esquina democrática, onde nos despedimos e fomos cada um para o seu rumo. Junto com o até breve, um disse: será que vamos sobreviver a esse “estado de ignorância"? Lembrei Nietzsche nesse momento - “O que não me faz morrer me torna mais forte.”

“Há três métodos para ganhar sabedoria: primeiro, por reflexão, que é o mais nobre; segundo, por imitação, que é o mais fácil; terceiro, por experiência, que é o mais amargo.” (Confúcio)

Túlio Carvalho

[email protected]

Publicado em 07/9/2019

Últimas Notícias

Abacaxi derruba diretor municipal em Guaíba. Confira na Coluna impressa de Leandro André.

Guaíba. Motorista de aplicativo, Rafael da Silva, 31, desapareceu no dia 6. Seu carro foi encontrado queimado sábado, 8, no Mathias.

Público das tradicionais Festas de Iemanjá reduz bastante em Guaíba.

Publicidade

Institucional | Links | Assine | Anuncie | Fale Conosco

Copyright © 2020 Gazeta Centro-Sul - Todos os direitos reservados