Gazeta Centro-Sul

Contato: (51) 3055.1764 e (51) 3055.1321  |  Redes Sociais:

Tera-feira, 25 de junho de 2019

24/04/2017 - 08h55min

Painel Econômico

Compartilhar no Facebook

enviar email

Reforma?

Já ouvi mais de uma manifestação do presidente Michel Temer afirmando que este ano sai a reforma tributária. O principal argumento é a necessidade de movimentar a nossa cambaleante economia. Simplificar os tributos, estimular a indústria, diminuir o Custo Brasil. É urgente esta reforma, a tributação no Brasil é apontada em diversas pesquisas como a mais complexa do mundo. A insegurança jurídica é muito grande, basta analisarmos a recente decisão do Supremo a respeito da não inclusão do ICMS na base de cálculo do PIS e da COFINS.

Esta questão é o retrato da precariedade da legislação tributária do Brasil. Como é possível as empresas passarem 15 anos pagando um valor de tributo que é inconstitucional? Precisamos sim de uma reforma tributária, mas da forma como as reformas estão sendo propostas, é muito provável que uma reforma tributária seja na verdade um aumento da carga tributária. Então, reformar ou não reformar?

O Custo da Carne Fraca

No último mês, a Polícia Federal deflagrou a operação Carne Fraca, que teve como foco um esquema de corrupção na fiscalização das carnes produzidas por algumas unidades produtivas. O setor que esteva em plena recuperação, após um 2016 muito ruim, desacelerou um pouco.

O Brasil foi o maior exportador de carnes bovinas em 2016, e isso demonstra a importância deste setor na nossa economia. Passados mais de 30 dias da deflagração desta operação, os efeitos catastróficos anunciados na época, não se confirmaram, pelo menos é o que diz a Fundação de Economia e Estatística, por meio da Carta de Conjuntura número 4 de 2017.

É possível que o alerde tenha sido muito maior do que o real comprometimento da qualidade da carne brasileira, e gaúcha especificamente. Mas ainda é cedo para se medir exatamente o custo das práticas absurdas.

A queda da queda, do PIB.

Agora em março, foram divulgadas as taxas do PIB do último trimestre de 2016, do Brasil e do RS. A queda do PIB que começou no segundo trimestre de 2014 e foi crescendo (a queda) até o seu auge (maior taxa negativa) no último trimestre de 2015, pelo quarto trimestre seguido diminuiu a queda. Ou seja, a partir do primeiro trimestre de 2016 as taxas negativas foram se reduzindo, fechando o ano de 2016 com a menor taxa negativa. Há uma tendência de melhora no PIB.

O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos, em um determinado período. É um indicador de reação da economia, mas ainda estamos com taxas negativas de crescimento. Preocupante...

Márcio Silveira

[email protected]

Publicado em 22/4/17.

Últimas Notícias

Espetacular a exposição de carros antigos que acontece neste domingo no Centro de Guaíba. Evento segue até as 17h.

Tiro na Câmara de Vereadores de Guaíba. Confira na versão impressa.

Secretário de Mobilidade Urbana de Guaíba, Alex de Oliveira, foi demitido depois de seis meses no cargo.

Publicidade

Institucional | Links | Assine | Anuncie | Fale Conosco

Copyright © 2019 Gazeta Centro-Sul - Todos os direitos reservados