Gazeta Centro-Sul

Contato: (51) 3055.1764 e (51) 3055.1321  |  Redes Sociais:

Tera-feira, 25 de junho de 2019

17/07/2017 - 10h57min

Opinião

Paixão Côrtes: Laçador de Cultura

Compartilhar no Facebook

Há 90 anos, no dia 12 de julho de 1927, madrugada de uma terça-feira fria de inverno, nascia, na Rua Rivadávia Corrêa, Centro de Sant'Ana do Livramento, o guri que mudaria a história da cultura do Rio Grande do Sul. Nascia João Carlos D’Ávila Paixão Côrtes.

Criado na vida rural, acostumado às lides campeiras, Paixão Côrtes gostava de usar indumentária tradicional, andar a cavalo, ouvir música, dançar e sorver um bom chimarrão. Os anos passaram e Paixão mudou-se para Porto Alegre, onde foi estudar no IPA e, depois, no antigo Colégio Júlio de Castilhos, localizado próximo à Praça do Portão.

Em 1947, preocupado com a pouca valorização da cultura e dos costumes do povo gaúcho na capital rio-grandense, Paixão Côrtes junta-se a sete colegas estudantes e, assim, começam a materializar o que é hoje o Movimento Tradicionalista Gaúcho, conhecido e reconhecido mundialmente. O “Grupo dos Oito”, como ficou conhecido, resolveu participar do translado dos restos mortais de David Canabarro, de Livramento para Porto Alegre. Na Avenida Farrapos, próximo à Rua da Conceição, vestidos com as roupas do homem do campo, montaram seus cavalos e acompanharam o cortejo até o centro da capital. Em 1948, Paixão, Barbosa Lessa e outros gaúchos fundam o 35 CTG, o primeiro centro de tradições, que funcionava no prédio da Casa Rural/ Farsul, na Avenida Borges de Medeiros.

Após a criação deste nobre espaço de calorização da cultura gaúcha, Paixão Côrtes começa, então, a jornada do Laçador de Cultura rio-grandense. Em suas viagens por vários rincões, ele vai anotando ou memorizando tudo o que vê. Para arquivar as informações coletadas, compra um gravador, máquina fotográfica e uma filmadora 8 milímetros. Como era um homem criado no campo, tinha facilidade de se comunicar com o gaúcho nativo, já que a forma de falar era a mesma de sua infância nos campos de Livramento.

Como resultado dessas andanças, Paixão e Lessa publicaram o Manual de Danças Gaúchas, em que foram registradas preciosidades como Chimarrita, Pezinho, Caranguejo, Cana-Verde, Xote, Rancheira, Pau-de-Fita, e Balaio, entre outras. A publicação mostra a origem das danças, seus passos e sapateados característicos. A trajetória de Paixão Côrtes ainda reserva a ele o papel de modelo da estátua do Laçador, símbolo de Porto Alegre e do Rio Grande do Sul - como agrônomo de profissão - de responsável pela implantação da ovinocultura no Estado. Por tudo isso é que este homem singular da história deste Estado merece um título à sua altura. Paixão Côrtes: o Laçador de Cultura.

Nilton Santos.

Jornalista e Cientista Político

Publicado em 15/7/2017.


Últimas Notícias

Espetacular a exposição de carros antigos que acontece neste domingo no Centro de Guaíba. Evento segue até as 17h.

Tiro na Câmara de Vereadores de Guaíba. Confira na versão impressa.

Secretário de Mobilidade Urbana de Guaíba, Alex de Oliveira, foi demitido depois de seis meses no cargo.

Publicidade

Institucional | Links | Assine | Anuncie | Fale Conosco

Copyright © 2019 Gazeta Centro-Sul - Todos os direitos reservados