Gazeta Centro-Sul

Contato: (51) 3055.1764 e (51) 3055.1321  |  Redes Sociais:

Sexta-feira, 22 de setembro de 2017

17/07/2017 - 10h57min

Opinião

Paixão Côrtes: Laçador de Cultura

Compartilhar no Facebook

Há 90 anos, no dia 12 de julho de 1927, madrugada de uma terça-feira fria de inverno, nascia, na Rua Rivadávia Corrêa, Centro de Sant'Ana do Livramento, o guri que mudaria a história da cultura do Rio Grande do Sul. Nascia João Carlos D’Ávila Paixão Côrtes.

Criado na vida rural, acostumado às lides campeiras, Paixão Côrtes gostava de usar indumentária tradicional, andar a cavalo, ouvir música, dançar e sorver um bom chimarrão. Os anos passaram e Paixão mudou-se para Porto Alegre, onde foi estudar no IPA e, depois, no antigo Colégio Júlio de Castilhos, localizado próximo à Praça do Portão.

Em 1947, preocupado com a pouca valorização da cultura e dos costumes do povo gaúcho na capital rio-grandense, Paixão Côrtes junta-se a sete colegas estudantes e, assim, começam a materializar o que é hoje o Movimento Tradicionalista Gaúcho, conhecido e reconhecido mundialmente. O “Grupo dos Oito”, como ficou conhecido, resolveu participar do translado dos restos mortais de David Canabarro, de Livramento para Porto Alegre. Na Avenida Farrapos, próximo à Rua da Conceição, vestidos com as roupas do homem do campo, montaram seus cavalos e acompanharam o cortejo até o centro da capital. Em 1948, Paixão, Barbosa Lessa e outros gaúchos fundam o 35 CTG, o primeiro centro de tradições, que funcionava no prédio da Casa Rural/ Farsul, na Avenida Borges de Medeiros.

Após a criação deste nobre espaço de calorização da cultura gaúcha, Paixão Côrtes começa, então, a jornada do Laçador de Cultura rio-grandense. Em suas viagens por vários rincões, ele vai anotando ou memorizando tudo o que vê. Para arquivar as informações coletadas, compra um gravador, máquina fotográfica e uma filmadora 8 milímetros. Como era um homem criado no campo, tinha facilidade de se comunicar com o gaúcho nativo, já que a forma de falar era a mesma de sua infância nos campos de Livramento.

Como resultado dessas andanças, Paixão e Lessa publicaram o Manual de Danças Gaúchas, em que foram registradas preciosidades como Chimarrita, Pezinho, Caranguejo, Cana-Verde, Xote, Rancheira, Pau-de-Fita, e Balaio, entre outras. A publicação mostra a origem das danças, seus passos e sapateados característicos. A trajetória de Paixão Côrtes ainda reserva a ele o papel de modelo da estátua do Laçador, símbolo de Porto Alegre e do Rio Grande do Sul - como agrônomo de profissão - de responsável pela implantação da ovinocultura no Estado. Por tudo isso é que este homem singular da história deste Estado merece um título à sua altura. Paixão Côrtes: o Laçador de Cultura.

Nilton Santos.

Jornalista e Cientista Político

Publicado em 15/7/2017.


Últimas Notícias

Quarta, 20. Grande desfile de manhã. Festejos farroupilhas de Guaíba encerram com show de César Oliveira e Rogério Melo, 19h30 no Coelhão.

BM e Civil negam toque de recolher no Bairro Vila Nova em Guaíba. Confira na versão impressa deste sábado, 16.

Cerca de quatro mil pessoas assistiram o Musical Do Cipreste ao Piratini neste final de semana em Guaíba.

Publicidade

Institucional | Links | Assine | Anuncie | Fale Conosco

Copyright © 2017 Gazeta Centro-Sul - Todos os direitos reservados