Gazeta Centro-Sul

Contato: (51) 3055.1764 e (51) 3055.1321  |  Redes Sociais:

Tera-feira, 21 de agosto de 2018

11/06/2018 - 14h46min

CPI conclui fase de interrogatórios

Compartilhar no Facebook

Defesa do Vereador Renan diz que Comissão é ilegal

Na tarde de quarta-feira, 6, no Plenário da Câmara Municipal de Guaíba (foto), foi realizada a última sessão de interrogatórios da CPI que apura os afastamentos pela Justiça dos vereadores Renan Pereira (PTB) e Bento da Silva (MDB). Além de servidores da Prefeitura, foram ouvidos os secretários, também afastados pela Justiça, Leandro Jardim (Administração, Finanças e Recursos Humanos) e Itamar Costa (Saúde). Representantes da Saudex e do Grupo GAMP não foram ouvidos.

O relator da CPI, vereador Miguel Crizel (SD), focou o interrogatório nos atos do Vereador Renan, questionando se o mesmo teria exercido cargo de chefia no PA e sobre supostas intervenções do médico e parlamentar na contratação de pessoal e em ações para furar a fila do SUS.

Os dois secretários afastados disseram desconhecer qualquer irregularidade cometida por Renan. No entanto, Leandro Jardim disse que, ao conferir se teriam sido recolhidos impostos municipais e federais referentes às notas emitidas pela empresa de Renan Pereira, que faziam parte da contabilidade do Grupo GAMP, foi informado pela Prefeitura de Bossoroca, cidade na qual a empresa está registrada, que a mesma se encontrava como desativada. Com isso, Jardim disse ter feito uma retenção de pagamentos ao GAMP na ordem de R$ 1 milhão e informado ao Ministério Público.

Os vereadores Crizel (relator) e Jonas Xavier (presidente da CPI) ressaltaram para Itamar Costa que 80% das pessoas que prestaram depoimentos à Comissão teriam afirmado que houve interferências e possíveis irregularidades praticadas por Renan na Secretaria de Saúde. Itamar ratificou que desconhece as irregularidades e ressaltou que não recebeu qualquer relato e que não foram formalizadas denúncias na Secretaria.

O vereador Bento da Silva disse estar muito abalado com as acusações, observando que está sendo acompanhado por psicólogo e usando medicamentos, tendo emagrecido 20 quilos. Acompanhado de sua advogada, Tânia Grigorieff (ex-procuradora geral da Prefeitura de Guaíba), ele negou o envolvimento em irregularidades.

Sobre a Legalidade da CPI

O vereador Renan Pereira não compareceu na sessão. Ele foi representado pelo seu advogado Marcos Eberhardt, que usou questão de ordem para manifestar, de forma veemente, que a CPI “tem uma série de irregularidades que determinam a sua imediata extinção”. Eles protocolaram requerimento fundamentando o pedido de nulidade da Comissão.

Segundo a defesa, há dois membros na CPI com interesse direto: o relator Miguel Crizel, por ser autor de uma ação na Justiça contra Renan, que discute objeto de análise da CPI; e João Collares, por ser investigado juntamente com Renan na Operação do MP, o que os advogados consideram com “inadmissível do ponto de vista técnico”.

Ainda segundo a defesa, existem outras irregularidades, como ausência de “um fato determinado” a ser apurado, conforme exigência legal, o que precisa ser sanado antes do prosseguimento dos trabalhos. Os procuradores declararam no requerimento que o vereador Renan Pereira estará à disposição para prestar esclarecimentos após as irregularidades serem sanadas.

O que diz o presidente

Em entrevista à Gazeta Centro-Sul, no final da audiência de quarta-feira, o presidente da CPI, vereador Jonas Xavier (PR), disse que a manifestação dos advogados foi extemporânea e que ele entende como estratégia de defesa, mas salientou que tudo está sendo feito de acordo com orientações dos procuradores do Legislativo, com auxílio de consulta jurídica externa. “Se é ilegal como alegam os advogados de defesa, por que já não ingressaram na Justiça, pedindo a anulação?”, questionou Jonas.

Próximos Passos

Com o encerramento da fase de interrogatórios, os trabalhos se voltam para a análise de depoimentos e provas, que já acumulam mais de 400 páginas, para elaborar o relatório final, que deverá ser avaliado e votado em plenário. Não foi definido um prazo, mas deverá levar cerca de dez dias.

Se o relatório for aprovado pelos vereadores, qualquer pessoa da comunidade poderá pedir a abertura de uma Comissão Processante (CP), que, após amplo direito de defesa, poderá pedir ou não a cassação dos envolvidos, sendo necessário para a cassação de mandato dois terços dos votos em plenário.

Foto: LA/Gazeta

Publicado em 9/6/2018.


Últimas Notícias

O vereador Renan Pereira (PTB), que está afastado da Câmara de Guaíba, renunciou ao cargo de presidente da Mesa Diretora, nesta segunda, 6.

Prefeito Sperotto retira PLs que alteravam estrutura do Governo e criavam 21 CCs na Prefeitura de Guaíba.

Instaurada CPP na Câmara de Guaíba para julgar pedido de cassação do vereador Renan Pereira (PTB).

Publicidade

Institucional | Links | Assine | Anuncie | Fale Conosco

Copyright © 2018 Gazeta Centro-Sul - Todos os direitos reservados