Gazeta Centro-Sul

Contato: (51) 3055.1764 e (51) 3055.1321  |  Redes Sociais:

Terça-feira, 02 de setembro de 2014

24/02/2014 - 14h28min

Investimento em Guaíba

Compartilhar no Facebook

Engebasa quer implantar fábrica de torres no Município.

Protocolo de intenções foi assinado no Palácio Piratini

Foi assinado protocolo de intenções entre a empresa Engebasa Mecânica e Usinagem e o Governo do Estado para a implantação de uma fábrica de torres metálicas para parques eólicos em Guaíba, com investimento previsto de R$ 76 milhões. A assinatura aconteceu na manhã de quarta-feira, 19, no Palácio Piratini (foto).

De acordo com o Governo, serão 230 empregos diretos, sendo mais de 80% de profissionais altamente especializados, além de 85 empregos indiretos.

Segundo a empresa, a nova fábrica deverá entrar em operação ainda este ano. A planta, com 20.777 metros quadrados de área construída, terá capacidade de produção de 300 torres/ano, superando a capacidade atual de produção em Cubatão - matriz da companhia - que é de 168 torres de aço por ano, com alturas de 65 metros, 78 metros e 100 metros.

“O projeto faz parte do Programa RS Eólica e, por estar integrado à cadeia produtiva, fortalece esta importante fonte de energia, que possui baixo impacto ambiental. Destacamos, ainda, o adensamento tecnológico na economia gaúcha”, disse o secretário de Desenvolvimento e Promoção do Investimento (SDPI), Mauro Knijnik. 

Energia Eólica no Estado

A energia eólica, gerada pelo vento, é considerada limpa e o Rio Grande do Sul oferece condições naturais excelentes para a sua viabilização.

Atualmente, o Estado conta com 469 MW instalados em 16 parques eólicos, sendo que um ainda está em construção, o que reúne condições atrativas para a instalação de novos parques, chamando a atenção de fabricantes de máquinas e equipamentos da cadeia produtiva, bem como de prestadores de serviços especializados (engenharia, logística, montagem e manutenção).

De acordo com informações do Governo do Estado, o crescimento mundial de energia eólica e o potencial eólico brasileiro (143 GW para ventos acima de 7m/s e altura de 50 metros) têm apontado para um cenário de grandes perspectivas para o setor. Nas mesmas condições, o potencial eólico do RS, em terra firme, é de 15,8 GW.

A Engebasa é responsável por mais de 35% da produção nacional de torres eólicas. Com a nova unidade, a empresa busca ampliar o atendimento no Brasil e iniciar a exportação.

E escolha de Guaíba considerou a localização estratégica: próxima ao Porto de Rio Grande, com 291 quilômetros de distância, e também das fronteiras do Uruguai (289 quilômetros) e Argentina (628 quilômetros).

Foto: Caroline Bicocchi/Palácio Piratini

Publicado em 22/2/14.


Últimas Notícias

Apesar de derrota para o líder DC Futsal, no sábado, 30, AGF encerra primeira fase em 3º na Série Prata de Futsal.

Leandro André questiona, em sua coluna, como se sentem os gremistas negros quando seus companheiros de clube gritam "macacos" no estádio.

Prefeitura de Guaíba tem prazo até está segunda-feira, 1º, para fazer a contraproposta dos recursos das medidas compensatórias da CMPC.

Publicidade

Institucional | Links | Assine | Anuncie | Fale Conosco

Copyright © 2014 Gazeta Centro-Sul - Todos os direitos reservados