Gazeta Centro-Sul

Contato: (51) 3055.1764 e (51) 3055.1321  |  Redes Sociais:

Terça-feira, 17 de setembro de 2019

05/08/2019 - 16h03min

Leandro André

Compartilhar no Facebook

enviar email

Asfalto e Coerência

Essa semana, a Câmara de Vereadores aprovou dois projetos de lei autorizando o Executivo a contrair empréstimos para asfaltar ruas e avenidas de Guaíba. Ver matéria ao lado. Bem como a Tia Alaíde anunciou e eu divulguei aqui na Coluna na edição do dia 13 de julho. Aliás, foi confirmada, também, a ida de Juliano Ferreira para a Secretaria do Trabalho, e a do Professor Bosco para a Câmara. Mais antecipações da Tia Alaíde que se confirmaram. Muita gente acredita que minha tia é vidente.

Mas volto à questão dos projetos do asfalto. A oposição criticou, considerando o valor de R$ 17 milhões, o envio dos PLs para serem avaliados e votados em sessão extraordinária, sem chance de análise mais apurada, e por não constar os nomes das ruas a serem asfaltadas. Eu entendo que a oposição fez o seu papel de questionar e criticar, mas a tese não se sustenta. Eu explico.

A malha viária de Guaíba tem mais de 30 anos. Além de velha, é malfeita. As ruas na Aldeia, em geral, são pintadas de preto de tempos em tempos. Escrevi isso no meu livro no capítulo “Tempos Difíceis”, página 122. Com isso, se gasta muito com tapa-buracos. Só em 2018, Guaíba gastou cerca de R$ 1,8 milhão com tapa-buracos, dinheiro posto fora, considerando que a tapeação dura cerca dois meses. Escrevi isso aqui na coluna recentemente.

Dito isso, justifico porque a tese da oposição não se sustenta. Se a crítica é forte em relação ao estado de degradação das vias, então não se pode criticar quando surgem projetos para mudar o quadro da gambiarra.

O argumento de que não será possível fiscalizar as obras não para em pé, porque elas terão de ser divulgadas, o pagamento será mediante a realização por etapas, com fiscalização da CEF e do Badesul. Sabe-se que a CEF é rigorosa, se não estiver nos conformes (asfalto quente e quatro centímetros de espessura) não é feito o pagamento. Além disso, tem a fiscalização da oposição e, principalmente, do Observatório Social. Se o prefeito usar a dinheirama para pintar as ruas de preto, vai se matar politicamente e se encrencar com a Justiça.

Além de iniciar um trabalho que transcende o tapa-buracos, o dinheiro dos empréstimos vai servir para melhorar a mobilidade urbana.

Se eu sempre critiquei a prática de tapa-buracos e o estado de degradação das ruas de Guaíba, por coerência não posso criticar quando surge uma ação alternativa. Daqui pra frente o que importa é fiscalizar. Aposto tudo no trabalho do Observatório Social.

O Bolsonaro e a Esquerda

O presidente Bolsonaro diz bobagem todos os dias, ele não se contém, precisa divulgar pelo menos uma besteira por dia pelas redes sociais; é como um vício. Quando as coisas começam a se ajeitar no agitado meio político, o Presidente Bolsonaro vem com uma ofensa dramática e está feita a lambança. O Bolsonaro gosta de lambança.

A esquerda nocauteada e ainda tonta se empolga e tenta reagir, aproveitando-se do besteirol do presidente, mas, apesar das barbaridades que ele divulga, não consegue reação. A esquerda não consegue aproveitar a incontinência presidencial para sair do umbral. Isso acontece porque parte da esquerda, grande parte, é falsa; se faz de mocinho, mas defende bandido. O povo entendeu essa manobra e não acredita mais em teses fajutas.

A esquerda criou um plano para governar por prazo indeterminado, aparelhando universidades e empresas estatais, criando discursos bacanas, mas tudo de fachada, e não percebeu que sem sustentação a casa cai. A casa caiu com um sopro despretensioso da direita. A queda foi tão feia, que por mais besteira que diga o presidente, com repercussão ampliada nos canais dos desmamados, nada supera a decepção da traição da causa. Então, enquanto não surgir alguém para substituir o besteirol, que não seja da esquerda traidora, vamos seguir ouvindo barbaridades em série e achando melhor que a corrupção revelada.



Licença Ambiental em Camaquã

Enquanto em Guaíba a pauta destaca os empréstimos para asfaltar as ruas, em Camaquã, o tema é usina de asfalto própria. Essa semana, o Governo de Camaquã obteve a liberação da licença ambiental da Fepam para começar as obras de infraestrutura a fim de instalar a usina de asfalto municipal em uma área na RS-350.

Redução de Eleitores em 2020

Nas eleições municipais do ano que vem, só poderá votar quem tiver feito o recadastramento biométrico. E tem muita gente que não se deu conta disso.

Guaíba tem cerca de 74 mil eleitores. Se dez mil não se recadastrarem, o que penso que vai acontecer, somente 64 mil estarão aptos a votar. Considerando pleitos anteriores, cerca de quatro mil não deverão comparecer nas urnas e cinco mil deverão votar em branco ou anularão o voto. Com isso, chegamos a 55 mil votos válidos para eleger 17 vereadores (vai aumentar um vereador na próxima legislatura). Como não será mais possível fazer coligações para o Legislativo, cada cadeira na Câmara Municipal de Guaíba, por partido, vai exigir cerca de 3.235 votos válidos. Então, vamos imaginar um partido com dez candidatos fazendo em média 325 votos cada um para colocar um vereador.

Acredito que esta minha previsão vai se confirmar. Frisson nos bastidores políticos da Aldeia.

Leandro André

[email protected]

Publicado em 03/8/2019.

Últimas Notícias

Ex-secretário de Saúde de Guaíba, Itamar Costa, faz desabafo. Confira na versão impressa da Gazeta de sábado, 14.

Nesta quinta-feira, 12, iniciam as atividades culturais dos festejos farroupilhas no Parque Coelhão em Guaíba.

A Câmara Municipal de Guaíba realizou sessão solene na noite de quarta-feira, 11, para homenagear a Imprensa local.

Publicidade

Institucional | Links | Assine | Anuncie | Fale Conosco

Copyright © 2019 Gazeta Centro-Sul - Todos os direitos reservados