Gazeta Centro-Sul

Contato: (51) 3055.1764 e (51) 3055.1321  |  Redes Sociais:

Terça-feira, 20 de outubro de 2020

24/08/2020 - 09h51min

Daniel Andriotti

Compartilhar no Facebook

enviar email

Tio-monstro, ciência e religião

Não aguento mais Covid.

Então, vamos falar de algo um tanto quanto pior. A maldade humana mostrou a sua face mais cruel essa semana: uma criança de dez anos vinha sendo violentada por um tio-monstro desde que ela tinha seis. E, muito provavelmente, o caso só veio à tona porque não houve mais como esconder a gravidez. Até aí, infelizmente, nenhuma novidade. Centenas de meninas violentadas são obrigadas a recorrer a um aborto legal no Brasil em caso de estupro de vulnerável, previsto pelo Código Penal há 80 anos. Por esse motivo, o Tribunal de Justiça do Espírito Santo concedeu à menina – que mora com a avó, porque a mãe a abandonou e o pai está preso –, o direito a esse tipo de assistência.

Mas nada é tão ruim que não possa piorar: por se tratar do estupro de uma criança, violação abominável aos direitos humanos, e como a menina-mãe corria iminente risco de vida, o caso deveria correr em absoluto sigilo. Só que não. Como somos brasileiros, uma tragédia infantil virou sensacionalismo político e uma crueldade cínica para a vítima, que é negra e pobre. O holofote foi aceso por uma ex-militante do movimento feminista bastante conhecida na latrina do submundo das redes sociais. Ela postou o fato no seu Twitter citando, inclusive, o nome da criança. Alerta dado, sua amiga e ex-chefe, a ministra Damares Alves, da Secretaria da Mulher, não perdeu tempo. Enviou emissários para o Espírito Santo e, é claro, também se manifestou em sua página do Facebook, lamentando a decisão da Justiça de autorizar o aborto, criando um clima de terror e de caça às bruxas no judiciário capixaba. Assim, o que era para ter ficado apenas no âmbito da justiça e da saúde, ganhou uma repercussão tão indesejada quanto a gravidez.

O vazamento da informação obrigou o Ministério Público do Espírito Santo a buscar uma solução longe dali. A menina então foi levada para Recife e atendida no Centro Integrado de Saúde, hospital-referência que atende a cada mês – em média – 40 casos como o dela. Quem pensa que essa história terminaria aqui, enganou-se redondamente. Do lado de fora da clínica, mais uma ação desencadeada pelas postagens infelizes da ministra e sua amiga reuniu um grupo de pessoas que, de mãos dadas, gritava “assassino...assassino” para o médico responsável pelo procedimento.

Imagine, leitor, o que será dessa criança se não houver um amplo acompanhamento psicológico por longos anos? Ela faz parte de um quadro comum a milhões de crianças pobres no Brasil. Criada pela avó e com um familiar que a estupra. Trata-se de um ex-presidiário que já voltou ao cárcere mas que deveria estar no quinto dos infernos abraçado com o dono da casa, o diabo. A avó é identificada como alguém bastante responsável com a educação da menina e que só não estava por perto dela quando tinha de sair para trabalhar como ambulante. Tanto ela como a própria neta disseram à Justiça que queriam ser amparadas pela legislação brasileira e interromper aquela gravidez fruto de violência.

Se por um lado há barulho e um clima ameaçador para quem está dando suporte às vítimas, por outro a publicidade pode ter um efeito bumerangue. A cada hora, quatro meninas brasileiras de até 13 anos são estupradas, segundo o Anuário Brasileiro de Segurança Pública, e a maioria dos crimes é cometido por um familiar. O embate de conservadores, incluindo a bancada evangélica, se intensificou nos últimos anos, seguindo o padrão da direita radical que ocorre em outros países. Mas aqui no Brasil, os extremistas misturam ciência com religião e perdem a noção de que entre uma criança estuprada, um feto no útero, um médico ‘assassino” e um estuprador, o único protegido pela lei é o estuprador. Por isso é que quando uma Ministra de Estado se refere a esse caso como “quanto sofrimento!!!” na sua rede social, não se sabe exatamente a quem ela está se referindo...

Daniel Andriotti

Publicado em 21/8/20.

Últimas Notícias

Assassinato que matou professora e seu filho, no Bairro Bom Fim, choca a comunidade.

Professora Rosa Jardim, 67, e seu filho Leonardo, 28, foram mortos em casa, em Guaíba, na madrugada desta segunda, 5.

Região de Guaíba se mantém em bandeira laranja no mapa de distanciamento controlado do RS.

Publicidade

Institucional | Links | Assine | Anuncie | Fale Conosco

Copyright © 2020 Gazeta Centro-Sul - Todos os direitos reservados