Gazeta Centro-Sul

Contato: (51) 3055.1764 e (51) 3055.1321  |  Redes Sociais:

Segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020

09/01/2020 - 09h11min

Daniel Andriotti

Compartilhar no Facebook

enviar email

Como destruir seu réveillon

Gaúchos e gaúchas de todas as querências já sabem: de dezembro a março o seu lugar é na Free-Way. Não importa se você mora na zona sul de Porto Alegre, no interior de Tucunduva ou em São Borja na divisa com Santo Tomé. Quando chega o fim do ano, todos os caminhos levam ao litoral. Um dia isso foi chique e estiloso. Hoje, nem tanto....

Quando a gauchada, em peso, ocupa a Free-Way e segue para o litoral a gente consegue entender, na prática, a Teoria da Relatividade. A percepção do tempo muda a partir do seu lugar no espaço. Porto Alegre e Torres – só para não sair do Rio Grande, por exemplo –, são separadas por 183 quilômetros que, sendo otimista e em circunstâncias normais, podem ser percorridos em duas horas e pouco, considerando uma média de 90 km/h. No final de ano e no Carnaval esse mesmo percurso pode levar de quatro a dez horas. Na cidade, nesse intervalo, você almoça, vai ao cinema, passa na livraria, toma um café... enquanto a turma do calção e do chinelinho, dentro dos carros percorreram algo como... 50 quilômetros.

Uma vez na praia, você pode finalmente se livrar do seu complexo de culpa pequeno-burguês e se sentir um flagelado da seca. Suado e sujo, você anda na areia quente carregando guarda-sol, cuia, bomba, erva-mate, isopor, baldinho, pazinha, cadeira, bolsa, bola, esteira, protetor solar, chapéu de palha e, é lógico, o pau de selfie. Conduzida por uma coleira, a cadelinha poodle “Baleia” vai junto. Saco para o lixo, que é bom, não precisa...

Finalmente instalado na areia quente, debaixo de um guarda-sol incapaz de fazer sombra, a tradição manda que você se alimente de alguma gororoba pingando óleo de trinta e cinco frituras enquanto entorna litros de cerveja aguada e morna. Não perca tempo procurando Heineken, Weiss ou Stella Artois. Esse tipo de frescura não combina com o ambiente. “Ceva” no litoral gaúcho só tem três: Skol, Polar e Itaipava. Ambas servidas à temperatura ambiente, que é de 40 graus à sombra. E em copo plástico.

No guarda-sol à sua esquerda, tem um bando de gente tatuada escutando funk. À direita é a mesma coisa, só que a música é sertaneja. A praia pode estar borbulhando, mas você jamais – em hipótese alguma – verá alguém ouvindo Miles Davis ou Norah Jones. É funk e sertanejo. Em volume 10. E ponto.

Mas escutar música ruim e tomar cerveja quente até que faz sentido, pois só existe uma maneira de ser feliz nesse ambiente: ignorar vozes humanas e estar abduzido pelo álcool. A sobriedade é muito perigosa quando você está suado, salgado, besuntado de uma meleca formada por bronzeador e areia e ardendo debaixo de um sol senegalês. Sem o entorpecimento proporcionado pela Itaipava e pela Marília Mendonça, você pode se dar conta do vazio que é a existência humana na Terra....

No 31 de dezembro, é preciso assistir à queima de fogos. É quando, além de suado, salgado, sujo de areia, melecado de bronzeador, com uma cerveja quente na mão e cercado de nativos ouvindo funk, você ainda pode ser atingido por um rojão – além da cadelinha Baleia, que vai surtar com o bombardeio desenfreado.

No dia seguinte – ou no dia 2, tanto faz –, com aquela ressaca infernal e a cabeça que parece um bombo leguero é hora de voltar para a Free-Way. Você gasta outras cinco, sete, doze horas com todos dormindo dentro do carro. Até a Baleia. Só que agora, sua pele arde como um pimentão vermelho e você transpira feito um porco: praticamente um leitão à pururuca sobre rodas. Em casa, se joga no sofá e promete a si mesmo que nunca mais repetirá essa viagem aos quintos dos infernos. Mas basta fazer um calorzinho em setembro e você já está com tudo pronto para passar o réveillon no litoral. De novo.

Seja grato, mas não espere que os outros sejam. A gratidão é uma virtude de poucos.

Daniel Andriotti

[email protected]

Publicado em 11/1/2020.

Últimas Notícias

Abacaxi derruba diretor municipal em Guaíba. Confira na Coluna impressa de Leandro André.

Guaíba. Motorista de aplicativo, Rafael da Silva, 31, desapareceu no dia 6. Seu carro foi encontrado queimado sábado, 8, no Mathias.

Público das tradicionais Festas de Iemanjá reduz bastante em Guaíba.

Publicidade

Institucional | Links | Assine | Anuncie | Fale Conosco

Copyright © 2020 Gazeta Centro-Sul - Todos os direitos reservados