Gazeta Centro-Sul

Contato: (51) 3055.1764 e (51) 3055.1321  |  Redes Sociais:

Domingo, 31 de maio de 2020

27/09/2019 - 16h34min

Daniel Andriotti

Compartilhar no Facebook

enviar email

Tiro... no pé

Boa parte da imprensa brasileira – que desde o início deste ano pauta o viés esquerdista da mídia internacional – escolheu coincidentemente o momento que o pacote ‘anticrime’ entra numa fase crítica na Câmara e no Senado Federal, para ‘sensacionalizar’ a morte de uma menina no Rio de Janeiro por bala perdida. A morte de um ser humano é sempre lamentável. Sempre. Quando se trata de uma criança, por arma de fogo, então... Detalhe: no ano passado, quando a mídia internacional se interessava muito pouco sobre o que acontecia no Brasil, somente no Rio de Janeiro, 225 pessoas morreram vítimas de bala perdida. Duas vidas a cada três dias...

Historicamente, os direitos humanos e a ONU sempre condenaram a ação das polícias na luta contra o crime, nutrindo suas neuroses comportamentais e seu apego ao submundo e ao endeusamento do bandido e dos seus subprodutos. Difícil de entender. Ocorre que até agora não se sabe de onde partiu o tiro que matou a menina do Rio. Não posso, não quero e nem devo questionar a ação do Estado – até porque desconheço o resultado da perícia para apontar quem apertou o gatilho. Pelo menos não assumo o papel leviano e tendencioso de boa parte da imprensa abutre que já sentenciou o óbvio: quando não se sabe quem atirou é fácil deduzir: “foi a Polícia!!!”. Afinal de contas, só a Polícia anda armada no morro. Não é isso, ONU?

Por outro lado, a regra é clara: se alguém da comunidade ‘delata’ de onde realmente partiu o tiro, no dia seguinte morre ele, a mulher, os filhos, a mãe, a avó, os vizinhos e o cachorro dos vizinhos... E aqui, não sejamos hipócritas nem ingênuos: a vítima da delação no morro pode ser abatida pelos dois lados do confronto...

O crime organizado e seus tentáculos terroristas, na ambição pelo segmento que mais injeta dinheiro no sistema – o tráfico de drogas – entre tantas outras coisas, criou milícias e passou a atuar onde o Estado é omisso. Tenho amigos no Rio que me contam com alguma riqueza de detalhes o que a imprensa parece não saber. Por exemplo: “quando a polícia entra na comunidade para algum tipo de operação – e a presença do ‘caveirão’ é sempre alertada pelos ‘profissionais’ do tráfico através de foguetes –, a primeira coisa que a maioria dos traficantes faz é atirar num inocente. Qualquer um que esteja na alça de mira do fuzil naquele momento. Se for uma criança ou um idoso, melhor ainda porque o efeito midiático é potencializado. Isso tem duas funções: interromper a operação e jogar a população contra a polícia”. E então, assistimos a um segmento da sociedade dizer que “é preciso punir os policiais”. Levianamente assim. Um familiar, no calor da perda, tem todo o direito de desabafar com compreensível desequilíbrio diante das câmeras. O que não significa que a TV precisa ficar mostrando isso a todo momento, sem o menor respeito pela vítima, nem pela sociedade.

Como chegam drogas, armas e munição no morro? Nunca li uma linha sobre isso. E, por que a imprensa internacional – que desde janeiro descobriu tudo sobre as nossas mazelas – não revela ao mundo quem é o público que consome e sustenta o milionário tráfico de drogas no Rio de Janeiro? Parece que o problema se resume em ‘punir os policiais’. Um literal tiro no pé. Da sociedade.


Graças à Semana Farroupilha não escrevi nada sobre o título conquistado pelo Athlético-PR há pouco mais de uma semana. Com isso, leitores de todas as cores questionam a minha opinião pelas ruas e pelas mídias sociais. Então vamos lá: já virou um ‘chavão’ dessa coluna eu dizer que o colorado tem um grupo de desqualificado, treinado por um profissional limitado para os padrões que a torcida e o tamanho do clube exigem; e uma direção omissa sempre que solicitada. Só quem vive numa bolha ou numa espécie de redoma não enxerga. E então, é confortável para os mais céticos tapar o sol com a peneira e me rotularem de “corneta”, dizendo: “temos que apoiar o time pois não é por acaso que estamos no G-4 e chegamos à semifinal da Libertadores e à final da Copa do Brasil”. Para isso, tenho uma explicação: a mediocridade do futebol latino-americano.

No Brasil, salvo raras exceções – que não passam de três ou quatro times entre as mais de 600 equipes profissionais registradas na CBF –, o futebol vive um momento abaixo da linha da miséria técnica. Logo, a minha crítica é para o Inter em relação a ele mesmo. Preferi não falar após uma derrota dolorida porque é muito fácil dizer que quem perde é ruim. Por isso venho falando desde o início do ano que esse Inter, sua comissão técnica e essa diretoria não vai passar de um time que ‘quase chega’ em todas as competições. Tem pior: se a torcida for para o Beira Rio aplaudir arremedos de jogadores medíocres como Rithely, Patrick, Parede, Trellez, Klauss, Natanael, Potker, Neilton, Wellington Silva... entre tantos outros com salários de seis dígitos antes da vírgula, a direção e a imprensa vão entender que está tudo bem e nada deve mudar.
Enquanto isso, não muito longe do Beira Rio, uma outra equipe consegue extrair jogadores acima da média das suas categorias de base... e jogar bem. E vencer jogos. E ganhar dinheiro com negociações...


Daniel Andriotti

[email protected]

Publicado em 28/9/2019.

Últimas Notícias

Navio bate em pilar da Ponte do Guaíba. Içamentos estão suspensos, mas tráfego de veículos continua.

Unidades do Super Paulinho, interditadas na quarta, 20, pela Vigilância em Saúde, foram liberadas neste sábado, 23.

Registrada a primeira morte por Covid-19 de um morador de Guaíba na noite desta quinta-feira, 14.

Publicidade

Institucional | Links | Assine | Anuncie | Fale Conosco

Copyright © 2020 Gazeta Centro-Sul - Todos os direitos reservados