Gazeta Centro-Sul

Contato: (51) 3055.1764 e (51) 3055.1321  |  Redes Sociais:

Quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020

26/07/2019 - 14h51min

Daniel Andriotti

Compartilhar no Facebook

enviar email

Esperando sentado

Existem alguns programas de TV a cabo, portanto pagos, que possuem o dom de iludir quem está do lado de cá da telinha. É lógico que só assiste quem quer. Eu, por exemplo, sou um deles. Meus preferidos são os de caçadores de fantasmas e de monstros do pântano, do rio ou das montanhas. Chega a ser impressionante como alguns canais conseguem manter por anos a fio programas baseados apenas em uma busca incessante, de pura especulação e sensacionalismo. Detalhe: em nenhum deles, os caçadores conseguem ver – e muito menos filmar – suas “caças”.

Outro dia escrevi sobre uma produção norte-americana, onde um grupo de pessoas criou uma empresa especializada em pesquisar e ir atrás de locais mal-assombrados. Eles possuem, além de um grande senso de persuasão, sofisticados equipamentos de alta sensibilidade para ruídos e gravação de imagens na mais absoluta escuridão. Tudo reunido numa van tipo a do Scooby Doo. Durante uma hora (ou mais), eles prendem a atenção de telespectadores ingênuos – olha eu aí de novo – com um roteiro que vai desde o ‘agendamento’ para acessarem a casa mal-assombrada até o desenredo final, passando pelo posicionamento estratégico dos equipamentos e todo um amplo teatro sob a mais absoluta tensão e suspense, simulando acontecimentos sobrenaturais. Nos últimos cinco minutos de programa começa o desfecho trágico: os ruídos são de uma janela que bateu pela força do vento ou um de gato que miava assustado no porão. A sombra era um pássaro no telhado. Fantasma que é bom, nada. Nunca!!!

Não satisfeito em ser enganado por toda essa gente, fui descobrindo outros programas, muito parecidos, chamados “Monstros do Pântano” e “Monstros do Rio”, do The History Channel. Os temas podem ser supostos monstrengos como o indigesto Homem Mariposa ou uma fera horrenda que habita pântanos e que destroça suas vítimas. O ‘ser exótico’ mais famoso deles é o “Sasquatch”, também conhecido por “Pé Grande”. Neblina, visibilidade baixa, lamaçal, galhos e árvores quebradas fazem parte do cenário. Tem um outro ainda que é uma ilha habitada por seres misteriosos. Pelo caminho, um navio naufragado cujo porão é um mistério mas que ‘pode estar’ cheio de tesouros. De concreto, que é bom, nada. E por aí vai a enganação...

De novo: qualquer um desses programas jamais mostrou aquilo que todo mundo quer ver. Atrações como “Monstros da Montanha” (Discovery Theater) e “Monstros do Pântano”, por exemplo, são baseadas em puro sensacionalismo digno de tabloides. Já “A Maldição de Oak Island” (canal H2), “Naufrágio Milionário” (History) e, mais recentemente, o “Tesouro Visto do Espaço” (Discovery), trilham por outro caminho, embora até hoje o objeto de suas buscas seja tão sólido quanto o “Pé Grande” peludo. Pior que tudo isso, somente as falas e expressões mediocremente dubladas, na tentativa de demonstrar um pânico que não existe nas pessoas que “caçam” fantasmas e monstros. São tantos “oh meu Deus!!!”, “eles estiveram aqui há bem pouco tempo!!!”, “que coisa incrível!!!”, “não acredito!!!”, “eles estão nos observando!!!”, “pelas pegadas trata-se de um ser horroroso”..., que chega a ser ridículo de tão fictício.

Não duvido de forma alguma da existência de seres misteriosos, fantasmas, monstrengos e muito menos de tesouros ocultos. Meu sonho é apenas vê-los na TV.

Só isso...

Dentro das quatro linhas tudo vai bem para a dupla na Libertadores e tudo já foi dito sobre o Gre-Nal de sábado. Quanto à agressão que uma mulher e seu filhos sofreram por parte de uma torcedora do Inter, tenho duas coisas a comentar:

1) Ambas estavam erradas. O que elas fizeram, cada uma ao seu modo, não se pratica num ambiente esportivo contaminado pela rivalidade, prima-irmã da selvageria característica entre torcidas de futebol;

2) O que ocorreu no Beira-Rio acontece todos os finais de semana pelos estádios do Brasil inteiro, seja na série A, B, C ou D. Mas é no estádio do Internacional que a mídia resolveu ‘levantar a bandeira’ pelo pseudo fim da agressividade entre os torcedores brasileiros...

Dois pesos, duas medidas. Só pra variar...

Daniel Andriotti

[email protected]

Publicado em 27/7/2019.

Últimas Notícias

Obras de revitalização da Praia da Alegria, em Guaíba, deverão iniciar em março. Ver matéria nesta edição da Gazeta Centro-Sul.

Abacaxi derruba diretor municipal em Guaíba. Confira na Coluna impressa de Leandro André.

Guaíba. Motorista de aplicativo, Rafael da Silva, 31, desapareceu no dia 6. Seu carro foi encontrado queimado sábado, 8, no Mathias.

Publicidade

Institucional | Links | Assine | Anuncie | Fale Conosco

Copyright © 2020 Gazeta Centro-Sul - Todos os direitos reservados