Gazeta Centro-Sul

Contato: (51) 3055.1764 e (51) 3055.1321  |  Redes Sociais:

Quinta-feira, 22 de agosto de 2019

15/04/2019 - 15h07min

Daniel Andriotti

Compartilhar no Facebook

enviar email

Libertarianismo

Outro dia estávamos num grupo de amigos conversando sobre amenidades, quando alguém disse: “vocês viram que o horário de verão vai acabar?”. Comentei por alto: “que pena!”. E falei porque eu realmente gosto do horário de verão. E então, começou a ladainha-vício do povo brasileiro. Um dos convivas não perdeu a ‘deixa’:

- Viu só? Isso é coisa do ‘teu’ presidente...

Já escrevi trocentas vezes sobre isso, mas vamos de novo. Não custa tentar. A desinteligência humana sempre se reinventa. Houve uma época em que “esquerda” e “direita” eram denominações apropriadas e nada imprecisas para diferenças ideológicas. Difícil assim. E ponto. Mas hoje tudo mudou. E para pior. Se, no Brasil, alguém fala mal da esquerda, do socialismo ou do Lula é porque esse alguém é conservador, fascista e eleitor do Bolsonaro. Se outro falar mal da direita, do liberalismo ou dos militares, é esquerdocínico, comuno-socialista e subversivo. Tudo vira mi-mi-mi. Tudo é polarizado. Tudo é ‘grenalização’. Tudo tem cunho ideológico. É o azul e o rosa, é o Lula preso sem provas, é o hino nacional nas escolas, é quem matou Marielle?, é a comemoração do 31 de março...

Nos últimos anos, alguns termos dominaram a cena política no Brasil. Muitos deles, chulos. E a rede social assumiu um papel nefastamente poderoso diante disso. Dependendo da posição que cada pessoa assume diante de um determinado fato político e social, logo é “rotulada” na testa: esquerdopata, fascista, coxinha, petralha. A rotulação ajuda a empobrecer o debate, o diálogo e, na maioria das vezes, estimula a violência política. É uma guerra semântica, vazia. A do “nós” contra “eles”.

Fui ler mais um pouco mais sobre essas dualidades e descobri então que eu sou um libertário (palavra que até então, eu só lembrava de uma citação na música “Joquim”, do Vitor Ramil). Como o próprio nome diz, libertarianismo é uma ideologia política que tem a liberdade como seu principal valor e objetivo político. Para os libertários, a missão da política deve ser maximizar a autonomia e a liberdade de escolha, não sendo função do Estado promover a ordem ou a igualdade, embora reconheçam a necessidade da existência de um Estado para exercer um mínimo de funções, como estabelecer e executar um conjunto mínimo de leis, proteger a vida e a propriedade. No entanto, é importante entender que o libertarianismo – assim como a anarquia – é uma ideologia que existe tanto na direita quanto na esquerda. Por isso, o termo acaba sendo usado como uma expressão guarda-chuva para inúmeras filosofias políticas.

E é assim que tem que ser. Caso contrário, relações de antigas amizades se destroem e famílias se afastam. E isso, é profundamente lamentável.

Daniel Andriotti

[email protected]

Publicado em 13/4/2019.

Últimas Notícias

Nova DP de Guaíba deverá ser inaugura em outubro de 2019.

Guaíba e Eldorado do Sul firmam PPP com a Corsan para tratamento de esgoto.

Em Barra do Ribeiro, Bolsonaro anuncia mais R$ 100 milhões este ano para a duplicação da BR-116.

Publicidade

Institucional | Links | Assine | Anuncie | Fale Conosco

Copyright © 2019 Gazeta Centro-Sul - Todos os direitos reservados