Gazeta Centro-Sul

Contato: (51) 3055.1764 e (51) 3055.1321  |  Redes Sociais:

Segunda-feira, 20 de maio de 2019

15/03/2019 - 16h23min

Daniel Andriotti

Compartilhar no Facebook

enviar email

Paraíso político

Se você nota que há algo errado com o mundo, mas que com o Brasil vai tudo bem, obrigado, eu respeito a sua opinião. Você, então, merece ir para a rua fantasiado e pular o carnaval até se acabar.

Mas se você entende que vive num país onde precisa acordar cedo, dar um duro danado, matar um leão por dia; e ainda sente-se frustrado por não dar à sua família uma qualidade de vida compatível com o seu esforço porque entrega quase tudo do pouco que ganha para um governo que lhe sonega benefícios sociais básicos, nós estamos falando a mesma língua e sobre o mesmo assunto.

Outro dia recebi um vídeo-sátira postado pela cientista política Alice Anil, uma jovem brasileira radicada nos EUA. Ela faz uma análise da cena política atual com uma inteligente pitada de humor ácido com os custos do político brasileiro, reiterando a necessidade de uma reforma política urgente. Alice é graduada em Políticas Públicas pela Universidade de Nova York e pós-graduada pela Universidade de Cambridge, na Inglaterra. No vídeo – gravado em inglês – ela faz uma espécie de ‘propaganda negativa’ do Brasil para quem não vive aqui. Diz assim:

“Você já pensou em ficar rico? Muito rico? Milionário? E sem ganhar na loteria? Basta virar político no Brasil. Lá você pode roubar, subornar, extorquir e até encomendar um assassinato que nunca será preso. Vou lhe dar cinco vantagens incríveis que um político desfruta no Brasil:

1) Seu emprego é garantido mesmo que boa parte da população esteja desempregada e sofrendo com cortes nas áreas da saúde, da segurança e da educação. Isso porque, em parte, você, político, saqueou impiedosamente o país juntamente com seus amigos cúmplices. O custo da corrupção no Brasil está beirando os R$ 53 bilhões por ano. Imagine o quanto os políticos se realizam com essa fortuna canalizada apenas para os seus interesses que não tem nada a ver com os interesses da população? Mas não se preocupe: o seu, no final do mês, estará sempre seguro. E mais: como é você e seus pares que estabelecem o valor dos seus salários, podem se autorremunerar quando e com o percentual que bem entenderem. Não importando que para isso o governo tenha que fechar escolas, adiar eternamente obras de saneamento e infra-estrutura e sucatear hospitais… não ligue para essas mazelas. Elas não fazem parte do seu mundo.

2) Você gozará da mais ampla e irrestrita impunidade. Desviou U$S 50 milhões de dólares do dinheiro público para a sua conta nas Bahamas? Fechou um acordo com empreiteiras para que 10% do faturamento de obras inexistentes seja mensalmente entregue em dinheiro vivo para alguém da sua confiança? Criou caixa 2? Mandou derrubar o avião em que viajava um desafeto político? Não se preocupe. Você dispõe de ‘foro privilegiado’ e somente o Supremo Tribunal Federal poderá lhe processar. Mas lá você encontrará uma porção de amigos sedentos por favores e os processos se acumulam dia após dia, o que acaba sobrecarregando um sistema criado para não funcionar. Isso significa que muito provavelmente você nunca será julgado. Passará ileso.

3) Ser deputado no Brasil lhe dá direito a uma série de benefícios incríveis: além de carro com motorista à sua disposição, você receberá verbas mensais para roupas, alimentação, moradia, combustível, passagens aéreas, correspondências, telefones, assessores… entre tantas outras despesas. Tudo pago com o dinheiro do contribuinte. Isso confere ao político brasileiro o título de ‘o mais caro do mundo’. Um minuto dele custa, aos cofres públicos, R$ 11.500,00 reais. E quem paga é o sujeito que ganha R$ 900,00 por mês. Ele, o político, é por minuto. O assalariado é por mês. Outra coisa: vai quê, por um deslize (pode acontecer, né?) você seja afastado do seu cargo antes de terminar o seu mandato. Sem estresse. A maioria desses benefícios continua sendo depositado na sua conta bancária. Afinal de contas, você merece, não é mesmo?

4) Se você não estiver a fim de trabalhar, não vá. Saia para passear, se divertir com a família… ninguém vai cobrar a sua presença. Enquanto a média dos trabalhadores assalariados trabalham 221 dias por ano, a maioria dos parlamentares brasileiros comparece menos da metade. 5) A última é a melhor de todas: se a lei não funciona para aquilo que lhe convêm, é simples. Você tem o poder de mudar as leis. Então, não é maravilhoso ser político no Brasil? Aproveite antes que algum ingênuo resolva levar a sério essa tal de reforma política...”

Daniel Andriotti

[email protected]

Publicado em 16/3/2019.

Últimas Notícias

A Gazeta publica na edição deste sábado, 18 de maio (impresso), matéria completa sobre o aumento do IPTU em Guaíba.

Novo site da Gazeta Centro-Sul entrará no ar em junho, com o Blog do Leandro André.

Leandro André alerta para gastos com operação tapa-buracos em Guaíba. R$ 1,7 milhão em 2018 e ruas seguem esburacadas.

Publicidade

Institucional | Links | Assine | Anuncie | Fale Conosco

Copyright © 2019 Gazeta Centro-Sul - Todos os direitos reservados