Gazeta Centro-Sul

Contato: (51) 3055.1764 e (51) 3055.1321  |  Redes Sociais:

Sexta-feira, 29 de maio de 2020

27/04/2020 - 11h54min

Comportamento

Compartilhar no Facebook

enviar email

Era dia 27 de abril de 1976

Nesse completo isolamento social que decidi praticar, estou descobrindo detalhes de um mundo feito de muitas emoções; meteoros luminosos passando no céu do meu esquecimento. Embarco na máquina do tempo através de fotos e recortes de jornais, de cartões e bilhetes, de livros e boletins escolares. E alinhando lembranças com o que acontece agora, como criança a juntar peças de grandioso quebra-cabeça, compreendo melhor como minha vida tem acontecido.

Nas fotos do colégio das freiras, onde eu e meus irmãos fizemos as primeiras leituras e escritas, encontro nossas imagens de primeira comunhão, o quadrinho da Santa Ceia e a Virgem Maria de cristal que herdei; e um convite de casamento.


Pausa para o chá, na estante vejo o livro que explica sobre os anjos da guarda. Coincidência divina, me vem à lembrança um milagre que nos aconteceu décadas atrás.

Meu irmão marcara a prova final do terno que usaria no seu casamento, e a mãe quis ir junto, temendo pelas escolhas dele por ser daltônico. E eu, que gostava de passear com a família, também fui. Rumamos, os três, para o quinto andar das Lojas Renner, no fusca novinho em folha do noivo.


Enquanto o alfaiate riscava o traje com giz colorido e marcava a bainha com alfinetes, sob o olhar daquela que levaria o noivo até o altar, eu passeava entre araras de camisas e gravatas. Em dado momento, porém, notei uma fumacinha branca que parecia vir das escadas, e um funcionário da loja passando apressado. Mesmo sem saber o que realmente acontecia, fui até o provador e avisei sobre o que eu tinha visto.


Aquela fumaça rapidamente começou a escurecer e se espalhar por todo o andar. Saímos às pressas na direção das escadas que nos levariam aos andares mais baixos. Mas ao tentarmos chegar no terceiro, as chamas não permitiram.


Naquele momento assustador, a mãe ficou em estado de choque e meu irmão precisou carregá-la no colo. Eu subi na frente, sem nada enxergar, segurando a mão dela para que não nos perdêssemos uns dos outros, à procura de alguma saída, talvez à espera de um milagre. E o milagre aconteceu.


De repente, alguém que eu não conseguia ver, apenas ouvir, pegou meu braço com determinação e disse: “Vem comigo, vou tirar vocês daqui”. E eu fui, mãos dadas com a mãe e o nosso salvador, conectada com meu irmão.


Chegamos a uma parede, e aquela voz me orientou sobre uma pequena janela que havia ali perto. Quando chegamos a ela, só Deus sabe como, quase sem conseguirmos respirar, os vidros se quebraram. Obedecendo ao que ouvia, pulei sobre um telhado, depois a mãe e meu irmão fizeram o mesmo. Sem saber por onde sairíamos, jovens estudantes de um cursinho pré-vestibular, do outro lado da rua, nos orientaram com gritos e gestos inesquecíveis.


Era dia 27 de abril de 1976.



Cristina André

[email protected]

Publicado em 24/4/20.

Últimas Notícias

Unidades do Super Paulinho, interditadas na quarta, 20, pela Vigilância em Saúde, foram liberadas neste sábado, 23.

Registrada a primeira morte por Covid-19 de um morador de Guaíba na noite desta quinta-feira, 14.

Na noite de quarta-feira, 13, foram confirmados 22 casos de Covid-19 em Guaíba.

Publicidade

Institucional | Links | Assine | Anuncie | Fale Conosco

Copyright © 2020 Gazeta Centro-Sul - Todos os direitos reservados