Gazeta Centro-Sul

Contato: (51) 3055.1764 e (51) 3055.1321  |  Redes Sociais:

Domingo, 31 de maio de 2020

12/09/2019 - 10h30min

Comportamento

Compartilhar no Facebook

enviar email

Nossos Desfiles Cívicos

Setembro começava a se preparar para assumir o comando do calendário e nos discursos maternos de cada dia já eram reforçadas as recomendações sobre cuidados com o uniforme e os sapatos colegiais. Descansava na gaveta das meias o novo par, modelo americano, que seria usado no desfile de sete de setembro, vetado ao uso até que encerrasse o evento pátrio.

Responsáveis pela nossa atuação diante da comunidade e das autoridades instaladas no palanque oficial, as professoras de Educação Física passavam nas turmas para acertar detalhes importantes, como a escolha das balizas, geralmente as gurias com destacadas habilidades esportivas. As mais bonitas, já sabíamos, concorreriam a Rainha da Banda.

Outros grupos também se formavam, de acordo com a nossa participação na banda, na feira de ciências, nos times de handball e de futebol. Para os porta-bandeiras, eram chamados aqueles que usavam uniformes mais novos, os mais caprichosos, que abdicavam de correr no recreio para manterem as roupas impecáveis. E também o pessoal que participava do coral, que era o meu caso. Integrávamos pelotões diferentes, cheios de orgulho pelo destaque dado pelas professoras, mesmo sabendo que era para todos nós.

Na volta para casa, levávamos o extenso bilhete que deveria ser entregue aos pais ou responsáveis, detalhando tudo a respeito dos ensaios que aconteceriam no turno inverso ao das nossas aulas. E chamando a atenção para uniformes e horários do desfile em que representaríamos a escola.

Eis que chegava o dia tão esperado, trazendo aquela manhã cívica em que seríamos aplaudidos por nossas famílias, pelo prefeito e a comunidade em geral.

Tios e primos vinham de outras cidades para nos ver marchando, também para observar a nossa escola, se estava entre as melhores. E ouvir as excelentes bandas, locais e convidadas, além da respeitada Banda da Brigada Militar, que recebia efusivos aplausos.

E, depois do desfile, aconteciam grandes almoços estudantis para integrantes de bandas que vinham de outras cidades, com a participação das nossas. Tudo patrocinado pela própria comunidade, que não media esforços para contribuir com a lista de pedidos que a escola mandava.

Eram feriados gloriosos, aqueles em que desfilávamos para mostrar as qualidades das nossas escolas. Sob os aplausos das famílias, de autoridades e da comunidade em geral, nos sentíamos parte da História.

Naqueles dias, aprendíamos que a Pátria Amada Brasil é de todos nós, brasileiros. Cada um com a sua devida responsabilidade de torná-la um bom lugar para se viver.

Cristina André

[email protected]

Publicado em 07/9/2019.

Últimas Notícias

Navio bate em pilar da Ponte do Guaíba. Içamentos estão suspensos, mas tráfego de veículos continua.

Unidades do Super Paulinho, interditadas na quarta, 20, pela Vigilância em Saúde, foram liberadas neste sábado, 23.

Registrada a primeira morte por Covid-19 de um morador de Guaíba na noite desta quinta-feira, 14.

Publicidade

Institucional | Links | Assine | Anuncie | Fale Conosco

Copyright © 2020 Gazeta Centro-Sul - Todos os direitos reservados