Gazeta Centro-Sul

Contato: (51) 3055.1764 e (51) 3055.1321  |  Redes Sociais:

Tera-feira, 25 de junho de 2019

27/05/2019 - 14h13min

Comportamento

Compartilhar no Facebook

enviar email

Retalhos de Cetim

Artistas e suas obras não pertencem apenas ao espaço que ocupam enquanto andam pela vida e são vistos a olhos nus por gente como nós, simples mortais. Nem fazem parte somente de um determinado período que foi medido a partir de antigas e curiosas invenções como relógios e calendários. Eles habitam o universo quântico, com sua intrigante atemporalidade.

Foi nisso que pensei a caminho do show de Benito Di Paula, no último sábado. Em cada um desses compositores, cantores e músicos que embalam as dores e as belezas do mundo com suas melodias e poesias, seus acordes e vozes. Permitindo-nos, por meio das canções, a magia de certos momentos passageiros se tornarem permanentes.

Lembrei de alguns sucessos daquele artista brasileiro que logo estaria ao piano, pequeno na estatura, enorme no talento musical, e fui cantarolando Retalhos de Cetim até chegar ao teatro.

“Ensaiei meu samba o ano inteiro, comprei surdo e tamborim.

Gastei tudo em fantasia, era só o que eu queria, e ela jurou desfilar pra mim.

Minha escola estava tão bonita, era tudo o

que eu queria ver.

Em retalhos de cetim, eu dormi o ano inteiro,

e ela jurou desfilar pra mim.

Mas chegou o carnaval, e ela não desfilou.

Eu chorei, na avenida, eu chorei.

Não pensei que mentia a cabrocha que eu tanto amei.”

No decorrer do show, percebi que o artista, com seus 78 anos, estava muito emocionado. E avesso ao cumprimento das regras da apresentação. Em dado momento, chamou seu filho ao palco e os dois tocaram e cantaram juntos; depois, passou a batuta do espetáculo a ele, saindo de cena. E o filho do peixe mostrou que peixinho é, como era de se esperar.

De volta à cena, Benito Di Paula foi acompanhado pelas vozes da plateia desde os primeiros acordes de cada composição. E mesmo atravessando o , insistindo em conversar mais do que se esperava, reinventando ritmos, foi sempre aplaudido efusivamente. Bonita homenagem ao músico, compositor e cantor por seus importantes feitos em prol da Música Popular Brasileira e dos nossos românticos corações.


Saí do show pensando nos artistas e suas obras, na capacidade que têm de permanecerem em nós vida afora. Acredito que habitam o universo quântico, com sua intrigante atemporalidade; são os senhores do “eterno agora”, nova teoria científica que está abalando alicerces de quem gosta de medir e segregar períodos de tempo e seus habitantes.

Exercitando o “eterno agora”, levantei e soltei a voz. Que honra estar entre as centenas de backing vocals do Benito Di Paula quando ele cantou Retalhos de Cetim.



Cristina André

[email protected]

Publicado em 25/5/2019.

Últimas Notícias

Espetacular a exposição de carros antigos que acontece neste domingo no Centro de Guaíba. Evento segue até as 17h.

Tiro na Câmara de Vereadores de Guaíba. Confira na versão impressa.

Secretário de Mobilidade Urbana de Guaíba, Alex de Oliveira, foi demitido depois de seis meses no cargo.

Publicidade

Institucional | Links | Assine | Anuncie | Fale Conosco

Copyright © 2019 Gazeta Centro-Sul - Todos os direitos reservados