Gazeta Centro-Sul

Contato: (51) 3055.1764 e (51) 3055.1321  |  Redes Sociais:

Tera-feira, 20 de agosto de 2019

27/05/2019 - 14h13min

Comportamento

Compartilhar no Facebook

enviar email

Retalhos de Cetim

Artistas e suas obras não pertencem apenas ao espaço que ocupam enquanto andam pela vida e são vistos a olhos nus por gente como nós, simples mortais. Nem fazem parte somente de um determinado período que foi medido a partir de antigas e curiosas invenções como relógios e calendários. Eles habitam o universo quântico, com sua intrigante atemporalidade.

Foi nisso que pensei a caminho do show de Benito Di Paula, no último sábado. Em cada um desses compositores, cantores e músicos que embalam as dores e as belezas do mundo com suas melodias e poesias, seus acordes e vozes. Permitindo-nos, por meio das canções, a magia de certos momentos passageiros se tornarem permanentes.

Lembrei de alguns sucessos daquele artista brasileiro que logo estaria ao piano, pequeno na estatura, enorme no talento musical, e fui cantarolando Retalhos de Cetim até chegar ao teatro.

“Ensaiei meu samba o ano inteiro, comprei surdo e tamborim.

Gastei tudo em fantasia, era só o que eu queria, e ela jurou desfilar pra mim.

Minha escola estava tão bonita, era tudo o

que eu queria ver.

Em retalhos de cetim, eu dormi o ano inteiro,

e ela jurou desfilar pra mim.

Mas chegou o carnaval, e ela não desfilou.

Eu chorei, na avenida, eu chorei.

Não pensei que mentia a cabrocha que eu tanto amei.”

No decorrer do show, percebi que o artista, com seus 78 anos, estava muito emocionado. E avesso ao cumprimento das regras da apresentação. Em dado momento, chamou seu filho ao palco e os dois tocaram e cantaram juntos; depois, passou a batuta do espetáculo a ele, saindo de cena. E o filho do peixe mostrou que peixinho é, como era de se esperar.

De volta à cena, Benito Di Paula foi acompanhado pelas vozes da plateia desde os primeiros acordes de cada composição. E mesmo atravessando o , insistindo em conversar mais do que se esperava, reinventando ritmos, foi sempre aplaudido efusivamente. Bonita homenagem ao músico, compositor e cantor por seus importantes feitos em prol da Música Popular Brasileira e dos nossos românticos corações.


Saí do show pensando nos artistas e suas obras, na capacidade que têm de permanecerem em nós vida afora. Acredito que habitam o universo quântico, com sua intrigante atemporalidade; são os senhores do “eterno agora”, nova teoria científica que está abalando alicerces de quem gosta de medir e segregar períodos de tempo e seus habitantes.

Exercitando o “eterno agora”, levantei e soltei a voz. Que honra estar entre as centenas de backing vocals do Benito Di Paula quando ele cantou Retalhos de Cetim.



Cristina André

[email protected]

Publicado em 25/5/2019.

Últimas Notícias

Em Barra do Ribeiro, Bolsonaro anuncia mais R$ 100 milhões este ano para a duplicação da BR-116.

Câmara autoriza Prefeitura de Guaíba a fazer empréstimo de R$ 17 milhões para asfaltar ruas e avenidas.

Prefeitura de Guaíba começou o plantio de 1500 mudas de árvores na cidade.

Publicidade

Institucional | Links | Assine | Anuncie | Fale Conosco

Copyright © 2019 Gazeta Centro-Sul - Todos os direitos reservados