Gazeta Centro-Sul

Contato: (51) 3055.1764 e (51) 3055.1321  |  Redes Sociais:

Tera-feira, 25 de junho de 2019

06/05/2019 - 11h40min

Comportamento

Compartilhar no Facebook

enviar email

O Museu e a Igreja

Aprendi sobre a Teoria de Charles Darwin nas aulas de Ciências; a respeito de Adão, o primeiro homem, e Eva, a primeira mulher, nos períodos de Religião. E não me lembro de ter questionado meus professores ou minha família, quando era criança, sobre o fato da lição científica desmentir a religiosa e vice-versa.

Mas agora não é assim, as novas crianças têm raciocínio mais rápido, maior liberdade para questionar. Por conta disso, tivemos, dia desses, uma aula de sensibilidade com nossa neta Isabela, de seis anos.

Meses atrás, visitamos o Museu da PUC, em Porto Alegre; toda a família. Para estreitar laços com as descobertas científicas que regem o mundo em que vivemos. Foi um passeio e tanto, aproveitamos muito. Na volta, o assunto recorrente foi o barco em que Charles Darwin fez sua primeira viagem de estudos e o desenho alusivo a nossa evolução como espécie, mostrando macacos que se locomoviam curvados até se erguerem completamente, com o passar do tempo, transformando-se nos primeiros humanos. A pequena estudante ficou impressionada com a evolução.

Para refrescarmos a memória, Charles Darwin (1809 – 1882) foi um garoto inglês encantado com a Natureza. Mandado pelo pai para a faculdade de Medicina, não aguentou as aulas de anatomia. A segunda tentativa, no curso de Teologia, também falhou. Um professor notou o interesse do jovem pelos assuntos da Natureza e o indicou ao capitão de uma expedição que ficaria cinco anos mapeando mares. Precisavam de um naturalista para coletar informações sobre plantas e animais. Darwin aceitou, e as descobertas que fez no Arquipélago de Galápagos transformaram o conhecimento científico do mundo.

Teve início, então, a sua teoria sobre a evolução das espécies. Ele concluiu, tempos depois, que a seleção natural se dá pela sobrevivência dos que melhor se adaptam às mudanças ambientais. E as espécies vão se modificando até a extinção.

Charles Darwin morreu aos 73 anos. E, apesar de contrariar o pensamento religioso daqueles tempos, foi sepultado na abadia de Westminster, em Londres, a belíssima igreja onde os reis são coroados.

Tudo isso posto, voltemos ao tema central desta escrita, a conversa que tivemos, eu e a pequena Isabela. Estávamos na cozinha, ela fazendo seus temas. De repente, pediu que eu olhasse e começou a andar com a cabeça quase na cintura, braços soltos balançando ao lado do corpo; e, sem parar, foi se erguendo aos poucos até ficar com o corpo ereto. E me perguntou:

Afinal, quem foram o primeiro homem e a primeira mulher, o Adão e a Eva ou os dois primeiros macacos a andarem eretos, como estava desenhado no barco do Darwin? Qual é a verdade?

Pensei um pouco, procurando uma resposta adequada a estes novos tempos que não desmentisse a Ciência tampouco a Religião. Expliquei que os macacos eretos fazem parte do conhecimento científico, então o que Darwin disse é considerado verdade. Adão e Eva fazem parte de crença religiosa, são como personagens de uma lenda: para alguns é verdade, para outros, não.

A Isabela ficou pensativa, parecendo compreender a minha “antiga” dificuldade. Então me deu uma explicação muito melhor. “Eu já entendi, os dois são verdade. Os primeiros macacos do Darwin, um se chamava Adão e o outro era a Eva”. E tudo ficou esclarecido.



Cristina André

[email protected]

Publicado em 04/5/2019.

Últimas Notícias

Espetacular a exposição de carros antigos que acontece neste domingo no Centro de Guaíba. Evento segue até as 17h.

Tiro na Câmara de Vereadores de Guaíba. Confira na versão impressa.

Secretário de Mobilidade Urbana de Guaíba, Alex de Oliveira, foi demitido depois de seis meses no cargo.

Publicidade

Institucional | Links | Assine | Anuncie | Fale Conosco

Copyright © 2019 Gazeta Centro-Sul - Todos os direitos reservados